Pesquisar
 
 
 
 
Alterar tamanho do texto
Atualidade e Cultura e Turismo
Marcelo Rebelo de Sousa inaugura Centro Português do Surrealismo em Vila Nova de Famalicão
    23-05-2018
    Uma colagem com a imagem do General De Gaulle com intenções claramente provocatórias da autoria de Mário Cesariny, uma escultura com caixa de vidro que representa o “Mar Português” de Cruzeiro Seixas ou ainda “O Tríptico A Vida”, de António Carneiro, são apenas três exemplos das mais de três mil obras ligadas ao surrealismo português que integram a coleção da Fundação Cupertino de Miranda, e que a partir do dia 1 de junho vão estar patentes ao público de uma forma rotativa no Centro Português do Surrealismo que vai ser inaugurado pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em Vila Nova de Famalicão.

    “A qualidade, a diversidade e os atributos da coleção” que reúne 130 artistas do movimento surrealista, entre os quais Mário Cesariny e Artur Cruzeiro Seixas e muitos outros, justificaram, desde a primeira hora, a criação deste novo espaço “mais amplo e com excelentes condições de visita”, como explica o diretor da Fundação Cupertino de Miranda, António Gonçalves.

    O Centro Português do Surrealismo vai integrar uma sala de exposições com cerca de 400 metros quadrados, afirmando-se como “um espaço cultural único na região”, como refere o responsável.
    Para António Gonçalves, a nova estrutura que se pretende afirmar num futuro próximo como “um espaço incontornável de visita para quem está a estudar e se interessa pela arte moderna”, pretende ser “não só um depósito, mas um centro ativo de estudo e investigação do surrealismo”.

    Para além da mostra das obras e objetos pertencentes à coleção da Fundação Cupertino de Miranda, a sala de exposições que ocupará todo o primeiro piso contemplará também um espaço para a apresentação de exposições nacionais e internacionais. A primeira que inaugurará o espaço é “O Surrealismo na Coleção Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian”, que possibilitará revisitar as obras ligadas ao Movimento Surrealista desta coleção e regressar ao acontecimento plástico desse período.

    Para António Gonçalves trata-se de “uma excelente coleção constituída por 67 obras e que representa um estímulo à investigação e compreensão, quer de atitudes, quer de pensamentos, levados a cabo por autores que desafiaram a situação social e política da época, demonstrando audácia, inteligência e liberdade”. Paralelamente à exposição será lançado um catálogo mais exaustivo sobre a coleção.

    O EDIFICIO

    Da autoria do arquiteto João Mendes Ribeiro, o Centro Português do Surrealismo nasce da adaptação do emblemático edifício da Fundação Cupertino de Miranda, que foi desenhado nos anos 50, verdadeiro ex-libris do espaço citadino.
    Para o arquiteto o projeto constituiu “um enorme desafio pela ligação entre o passado e o futuro”, mas também “pelo tema da contemporaneidade”.

    A principal transformação face ao desenho atual é a passagem do espaço museológico, bem como da oferta formativa, para os primeiros andares do edifício - atualmente localiza-se na torre que compõe o espaço - colocando-o na "linha da frente" de forma a "promover o contacto com a comunidade". “Vamos ter um conjunto de expositores que se abrem à cidade, criando uma relação muito forte com o espaço e com as pessoas”, acrescenta João Mendes Ribeiro.

    Aquando da apresentação do projeto que aconteceu em fevereiro de 2017, o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, descreveu o centro como um "projeto âncora. É inegável o protagonismo que a fundação tem na área cultural quer em Famalicão, quer no país, sendo um dos pilares do concelho. E a fundação, que não vive fechada em si mesma, tem espólios riquíssimos", disse o autarca.

    Na altura tanto Paulo Cunha como o presidente da Fundação Cupertino de Miranda, Pedro Álvares Ribeiro, vincaram o objetivo de tornar Vila Nova de Famalicão "o centro do surrealismo", criando uma "marca" que gerará "muitos benefícios" como o desenvolvimento da atividade turística ou o estabelecimento de parcerias com empresas e instituições.

    Refira-se que a somar às obras de adaptação do edifício, prevê-se ainda uma nova programação e novos custos com o funcionamento do Centro Português do Surrealismo que implicará um investimento na ordem dos 2,5 milhões de euros. A autarquia contribuirá com a atribuição de um apoio financeiro no valor de 300 mil euros, repartidos por quatro anos.
    Receber Notícias
 
 
Subscrever RSS  
 
Enviar por email  
 
Imprimir  
3661 leituras
 
 
TOPO
 
   
  Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão © copyright 2018 | handmade by brainhouse