Pesquisar
 
 
 
 
Festival Teatro Amador - Terras de Camilo
Alterar tamanho do texto
É com Seide S. Miguel como pano de fundo e com a inspiração da Casa de Camilo, que de 24 de Fevereiro a 25 de maio, volta a decorrer mais uma edição do Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo”. A iniciativa, promovida pela Câmara Municipal de Famalicão e o Grupo de Teatro Amador Camiliano – Grutaca, é de entrada livre e para além da apresentação de perto de uma dezena de peças de teatro, conta também com uma componente formativa, com a realização de vários workshops, de comemoração do Dia Mundial do Teatro, a 27 de Março. Todas as sessões realizam-se aos fins de semana.

Apoios/Patrocínios:

União de Freguesias de Seide
Restaurante S. Miguel (Seide S. Miguel)
Restaurante O Toneco (Bente)
Café Snack-Bar Novo Milénio (Seide S. Paio)
Café Camiliano (Seide S. Miguel)
Café Popular, (Seide S. Miguel)
Cervejaria Avenida, (Santa Marinha – Landim)
Jardim de Infância de Seide
EB1 de Seide
Pedra D’Agua, Grupo Musical
Os Delaenses, Associação Musical e Recreativa (Delães)


PROGRAMAÇÃO


Data de Realização: 24 de Fevereiro a 25 de Maio 2019

Município de Vila Nova de Famalicão
Informações: animacaocultural@vilanovadefamalicao.org
Telefone: 252 320 900

GRUTACA – Grupo de Teatro Amador Camiliano
E-mail: grutaca@gmail.com
Telefone: 938 420 394

ENTRADA LIVRE, mediante inscrição e até à lotação da sala


Dia 24 de Fevereiro (Domingo) | 16h00
Abertura do XIII Festival de Teatro Amador
- Inauguração da Exposição “Máscaras e Caretos” | Casa da Junta de Freguesia de Seide
Participação: Jardim de Infância e Escola Básica de Seide
- Animação de Rua pelo Grupo “Os Delaenses”

Espetáculo de Recriação Teatral “Verdegar”
p/ NEFUP – Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade de Porto

Verdegar nasce da memória: a individual e a coletiva, a documentada e a imaginada, a nossa e a dos outros. Verdegar reproduz estórias verdadeiras, recordadas e relatadas por quem viveu o trabalho, o amor e a festa, em condições difíceis e longe de tudo, apesar de ser curta a distância para a grande cidade.
No entanto, como quem conta um conto acrescenta um ponto, foram vários os fios que fomos entrelaçando numa teia de ficção e realidade: por um lado, as pessoas que ouvimos, entre os setenta e os cem anos, falaram-nos da sua meninice e juventude, mas também dos seus antepassados e das suas vivências, com o olhar toldado pela nostalgia e a clarividência dos muitos anos vividos; por outro, nós próprios fomos tecendo redes de conexão entre os seus relatos e aquilo que imaginávamos, nos tinha sido contado ou tínhamos lido e investigado.
Hesitações, dúvidas e incertezas percorreram a nossa escrita durante muitos meses, mas encontrámos a inspiração em Entre-Os-Rios e Baião, em Amarante e Cinfães, Resende e Penafiel, ao passarmos o Douro em Castelo de Paiva, ao comermos o bazulaque de Baião e ao bebermos o verde macio destas encostas e vales. Procurámos os paus de lódão de Gestaçô e as melhores laranjas deste Douro, que juntámos aos bombos de Amarante, num toque de rigor e tradição, como sempre fazemos com a identidade do país que somos. O resultado é este Verdegar: uma leitura subjetiva e muito criativa de estórias de vida, que centrámos temporalmente na década de 40 do século passado, mas que se refere a mais de cem anos de vivências e tradições. (…)

Ficha Artística/Elenco |
Adelaide Soares
Adelino Geraço
Adriana Costa
Armanda Sousa
Belisanda Cavaleiro
Carmo Pacheco
Cláudia Monteiro
Conceição Aguiar
Daniela Castro
Fátima Teixeira
Fernando Fangueiro
Fernando Fernandes
Filomena Teixeira
Flor Coelho
Helena Queirós
Isabel Reis
João Dias
Mário Alçada
José Ferreira
José Fróis
José Gabriel
Luís Monteiro
Luís Pacheco
Luís Ramos
Manuel Reis
Manuel Sousa
Márcia Pinto
Márcia Santos
Margarida Luz
Maria José Rocha
Paula Silva
Rogério Pinto
Silvério Meireles
Teresa Ruiz
Vasco Ferreira

Ficha Técnica |
Encenação | Armando Dourado
Dramaturgia e guião | Armando Dourado, Helena Queirós e Luís Monteiro
Direção de Danças | Luís Monteiro
Direção Musical | Cláudia Monteiro
Arranjos Musicais | André Ruiz
Cenografia | Luís Monteiro
Desenho de luz | Renato Marinho
Adereços | Conceição Aguiar
Trajes | Fátima Teixeira
Fotografia | Rui Correia, Luís Monteiro, José Silva e Adelino Geraço
Design | Adelino Geraço
Classificação | M/6 anos
Duração | 90 min.


Dia 16 de Março (Sábado) | 21h30
" As Guerras de Alecrim e Manjerona", de António José da Silva (O Judeu)
Nova Comédia Bracarense

Guerras do Alecrim e Manjerona é uma ópera joco-séria da autoria de António José da Silva (O Judeu), apresentada no Teatro do Bairro Alto em 1737. As suas obras, em geral, rompem com os modelos clássicos, procurando inspirar-se no espírito e linguagem do povo, em que o canto e a música surgem como elementos essenciais do espetáculo.
Numa época em que o teatro popular assume uma importância relevante no contexto da crítica social, o texto de António José da Silva pretende denunciar acima de tudo o namoro convencional tão comum praticado no seio das classes superiores (a nobreza e fidalguia decadente), assim como a medicina balofa, carregada de preciosismos latinos e linguagem oca, para além dos vícios e costumes das donzelas e cavalheiros que viam no casamento por interesse uma forma de assegurar a sua sobrevivência. Através de um discurso marcadamente irónico com forte pendor crítico, a peça exibi magistralmente algumas virtudes e defeitos das suas personagens, expondo a ridículo o seu comportamento imoral, com destaque para situações em que o ser e o parecer servem de pretexto para desencadear o cómico e o riso no espectador, É neste ambiente de farsa, repleto de jogos de engano, disfarce e mal-entendidos, que esta comédia adaptada a partir do texto original do autor sobe ao palco sob a responsabilidade da Nova Comédia Bracarense, procurando uma vez mais, no seu repertório já tão vasto, ir ao encontro do teatro sob a influência da Commedia dell’arte, não só para homenagear um dos vultos maiores da dramaturgia portuguesa, mas também recuperar a melhor tradição do Teatro Barroco.

Ficha Artística/Elenco:
Diamantino Esperança (D. Tibúrcio);
Vasco Oliveira (D. Lancerote);
Agostinho Silva (D. Gilvaz)
António Pimentel (D. Fuas);
Helena Guimarães (D. Clóris)
Rita Pereira e Sofia Tenreiro (D. Nise);
Joshua Swift (Semicúpio);
Helena Machado (Sevadilha)

Ficha Técnica:
Encenação | José Manuel Barros
Dramaturgia | NCB (adaptação)
Figurinos | Goreti Abreu
Iluminação e som | Francisca Barbosa
Direção artística | Carlos Barbosa
Produção | NCB 2017
Género | Comédia
Classificação etária | M/6
Duração | 01h20

Dia 23 de Março (Sábado) | 21h30
“Médico á Rasca”, de Dídimo Vitor Hugo
Greculeme, Grupo Recreativo e Cultural de Lemenhe

O esperto doutor Cabeça de Nabo lá consegue o seu canudo, (o que demorou longos anos) convencido que chegaria a hora da sorte para, finalmente, fazer fortuna à custa das dores alheias. Mas virá a descobrir que antes das doenças, terá que conseguir “entender-se” a populaça rural com a suas maleitas e culturas muito peculiares.
Para atrapalhar esta árdua tarefa, Patrocínio, seu auxiliar que sempre sonhou ser gente, não é lá uma grande ajuda…

Ficha Artística/Elenco:
Médico | Juca Carvalho
Patrocínio | Lucas da Silva
José das Porcas | Alberto Oliveira
Rebucata | Susana Barbosa
Mudo | Paulo Gomes
Rufino | Pedro Silva
Brás | Jorge Monteiro
Polícia | Ricardo Campos

Ficha Técnica:
Adaptação de Texto | Greculeme
Encenação | Juca Carvalho
Assistente de Encenação | Cidália Araújo
Figurinos | Greculeme
Cenografia | Greculeme
Sonoplastia e Desenho de Luz | Cidália Araújo
Género | Comédia
Classificação etária | M/6
Duração | 60 min.

Dia 27 de Março (Quarta-feira) | 09h30 e às 11h00
COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DO TEATRO

”Juntos no Teatro”
09h30 e 11h00
Organização: Departamento do Pré-Escolar do Agrupamento de Escolas Camilo
Castelo Branco

“EU, TU, ELE, NÓS, VÓS, ELES”, de Sérgio Godinho
GRUTACA, Grupo de Teatro Amador Camiliano
André, Barnabé, Cristina e Daniela são quatro pessoas que ocupam um determinado espaço. Têm as suas ocupações, o seu círculo de amigos, os seus passatempos e, aparentemente, vivem felizes.
A dado momento um novo personagem, o outro, entra em cena. Tenta captar a sua atenção, tornar-se amigo deles. A princípio é ignorado mas, pouco a pouco, vai-se fazendo notar e é aceite pelo grupo que o vai ensinar e que com ele vai aprender o valor da amizade e da partilha.

Ficha Artística:
Elenco
André | Hélder Araújo
Barnabé | Cláudia Campos
Cristina | Bárbara Araújo
Daniela | Diana Catarina
Ele | Luís Miguel Ferreira

Ficha Técnica:
Encenação | Reinaldo Ferreira
Apoio Musical | G.M. Pedra D’Agua
Som | Francisco Cereja
Luz | António Alves
Apoio Técnico | José Alves
Cenários e Guarda-roupa | Grutaca, Grupo de Teatro Amador Camiliano
Classificação Etária | M/6
Duração | 60 minutos

21h30 | Oficina de Teatro: “Abordagem prática sobre uma dramaturgia
pedagógica para Amor de Perdição”
Público-alvo | Atores de grupos de teatro amador e profissional;
Público em geral
Monitorização | Sílvia Brito, Companhia de Teatro de Braga
Local | Auditório do Centro de Estudos Camilianos | Seide S. Miguel

Dia 31 de Março (Domingo) | 16h00
“Sebastião”, de Pedro Rodrigues
Grupo de Teatro Artes da Alegria (Braga)

“O meu nome é Sebastião, e é assim que assino todos os meus contos. Sou escritor, um escritor diferente… eu tenho um poder… e pode parecer loucura, mas não é, eu sei que não é! Os meus contos ganharam vida, a minha vida ganhou cor, e o meu coração ganhou a Violeta. A “Mona Lisa” dos meus retratos. A “Julieta” das minhas histórias. A mulher que mora nos meus sonhos, que descrevi nos meus contos e a conheces com a tua imaginação, hoje vive no meu quarto! É real e está aqui, já dançamos, já cantamos, e agora enquanto ela descansa eu vim desabafar um bocado com os livros. Eles acham que estou a ficar maluco, eu só acho que descobri a felicidade!”

Ficha Artística/Elenco: 
Gonçalo Pimenta
Mafalda Santos
Sofia Magalhães
Pedro Rodrigues

Ficha Técnica:
Texto | Pedro Rodrigues
Encenação | Pedro Rodrigues e Mafalda Santos
Figurinos | Artes D’Alegria
Cenografia | Artes D’Alegria
Sonoplastia e Desenho de Luz | José Araújo
Fotografia | Mariana Costa
Género | Comédia
Classificação etária | M/6
Duração | 60 min.

Dia 06 de Abril (Sábado) | 21h30
“Uma História que não lembra ao diabo"
Grupo Dramático e Recreativo da Retorta (Valongo)
Adaptação do Grupo Dramático e Recreativo da Retorta, a partir do original de “A Feira”, de Maria de Lourdes Ramalho.

Num recinto de uma pequena feira de uma cidade do interior encontram-se, entre outros, dois malandros, uma família sonhadora que não tem onde cair morta, um compadre simplório que desaparece sem deixar rasto, um cego sem guia, um aleijado que não manca, um fotógrafo que tem uma máquina que corta pernas, um leque de vendedores insolentes e vigaristas, um fiscal armado ao pingarelho, um doutor dentista carniceiro, uma cigana que a sabe toda e uma meretriz capitalista e danada para os negócios.
O que é que todas estas personagens têm em comum?
Que querem da vida? Porque é que se cruzaram naquele dia de feira? Terá sido por acaso?
Ele há coisas que não lembram ao diabo...
Mas há quem diga que o diabo andou a fazer das dele, nesta história.
E por falar em história, querem vir à feira?

Ficha Artística:
Elenco
Ana Cruz,
Ana Sousa,
Betina Rocha,
Diana Pereira,
Emílio Cruz,
Hélio Rebelo,
Joaquim Costa,
Maria Fontes,
Maria João Pereira,
Núria Melo,
Vítor Oliveira

Ficha Técnica:
Texto | Grupo Dramático e Recreativo da Retorta, (a partir do original de “A Feira”, de Maria de Lourdes Ramalho)
Encenação | Laura Avelar Ferreira
Assistência de Encenação | Elisabeth Trindade
Figurinos e Adereços | Ana Sousa, Maria Fontes, Hélio Rebelo, Paula Galante, Paula Nogueira
Caracterização | Paula Galante, Mónica Fontes
Cenografia | João Paulo Pereira, Octávio Pereira, Laura Avelar Ferreira, Nuno Sousa Pereira
Sonoplastia | Flávio Oliveira
Desenho e operação de Luz | João Pereira
Design Gráfico | Nuno Sousa Pereira
Género | Comédia
Classificação etária | M/6
Duração | 60 min.

Dia 13 de Abril (Sábado) | 21h30
"O Rei está a morrer"
Grupo de Teatro Aviscena (Vila das Aves)
Adaptação da tradução efetuada pelo Professor Luís Américo Fernandes da peça LE ROI SE MEURT de IONESCO

Havia, num reino imaginário, um Rei que julgava possuir um poder eterno. Um dia, porém, tudo se desmorona e se precipita para a anarquia e o horror. É então que o Rei tem que aceitar o inevitável, o grande encontro com a sua morte. Será que vai mesmo morrer?
Mais uma surpreendente apresentação, com a qualidade da Associação de Teatro Aviscena, repleta de humor, sarcasmo e talvez uma pitada de tragédia.

Ficha Artística/Elenco
Rei Bérenger | Cláudio Ribeiro
Rainha Margarida | Olga Sousa
Rainha Maria | Daniela Arcipreste
Guardião | Cristiano Coelho
Médico | Carlos Pimenta
Julieta | Yvonne Machado

Ficha Técnica
Texto | Adaptação da obra Le Roi Se Meurt, de Ionesco
Adaptação de texto | Grupo de Teatro Aviscena
Encenação | Cristiano Coelho
Figurinos | Mónica Lima
Sonoplastia | Luís Gonçalves
Desenho de Luz e Adereços | Rui Pinheiro
Ponto e Contra-regra | Cristina Ferreira
Fotografia | Ren Barros
Género | Drama
Classificação etária - M/6
Duração – 60 min.

Dia 28 de Abril (Domingo) | 16h00

“O Leitinho do Néné”, de Alfonso Pato
Grupo Paroquial de Teatro de Leça da Palmeira

O espetáculo que hoje vos apresentamos é uma comédia que esperemos que vos divirta e vos faça passar um bom serão. Numa adaptação de Henrique Santana, “O Leitinho do Nené” envolve dois casais muito chistosos que lutam pelas melhores férias do ano! Durante a trama vão aparecendo uns contratempos, mas nada que José Simões e Jorge Dias não resolvam! Ou talvez não! Esperem para ver!

Ficha Artística:
Elenco
José Simões | Miguel Ribeiro
Jorge Dias | Rui Pedro
Luisa Dias | Felícia Vaz
Carlota Simões | Ana Isabel Faria
Noémia | Isabel Soares
Néné | Sofia Oliveira
Júlia | Camila Morais
Agente Faísca | Marta Carvalho
Inspetora Bonito | Ana Patrícia Ferreira

Ficha Técnica:
Adaptação de Texto | Henrique Santana
Encenação | Miguel Ribeiro
Sonoplastia | Ribalta Cenário
Operador de Luz | Sérgio Gomes
Operador de Som | Paulo Lopes
Contra-regra | Isabel Soares
Montagem | António Faria
Género | Drama
Classificação etária | M/6
Duração | 60 min

Dia 04 de Maio (Sábado) | 21h30
“O Silêncio das Horas”, de Rui Nunes e Vera Gomes
Grupo de Teatro Renascer (Esmoriz)

A um passo da morte, no meio do silêncio, uma amante expõe a sua mágoa. Ele – cujo nome não é mencionado mas cuja presença está sempre presente – nunca deixou a ‘Outra’, a mulher, por ela, a amante. A amante, mesmo assim, nunca deixou de o amar… doentia e insanamente. Fruto desse triângulo de (des)amores, quem era para ter nascido não nasceu e quem não era para ter nascido, nasceu. Uma história de histórias, de quando a loucura penetra no amor e ambos se confundem numa explosão de consequências imprevisíveis. O telefone que tocava sempre às 4 em ponto deixou de tocar. Ela continua à espera dele… Será que ele vai voltar?
Produção: Grupo de Teatro Renascer
Ficha Artística/Elenco:
Rita Marinheiro
Ana Carolina Ribas
Vera Gomes

Ficha Técnica:
Texto | Rui Nunes, Vera Gomes
Encenação | Vera Gomes
Assistente de Encenação | João Gomes
Sonoplastia | Samuel Marinheiro
Desenho de Luz | António Oliveira
Assistência Técnica | Hugo Vieira
Assistência de palco | Manuel Gomes e Rosa Ribeiro
Caraterização | Jéssica Beatriz Pereira
Género | Drama
Classificação etária | M/12
Duração | 75 min.

Dia 19 (Domingo) | 16h00
“Com Garrett no Coração” Um Musical no Convento, de Fernando Gomes
Grupo de Teatro “Casca de Nós”, da AACE - Associação Académica e Cultural de Ermesinde
(Peça vencedora da mostra de teatro em Valongo 2018),

Sob a direção da Madre Ribalta, as irmãs Sensibilidade, Benilde, Tragédia, Suplício e La Salete do convento das Madalenas Calçadas, acompanhadas por dois irmãos do convento das Sandalinhas do Pescador e por quatro elementos do convento das Barriguinhas de Freire organizam uma récita de homenagem a Almeida Garrett com o propósito de darem a conhecer um pouco sobre a vida e obra do autor, contribuindo assim para o aumento do nível cultural do país.
Juntando o útil ao agradável, com esta récita, as Madalenas Calçadas têm ainda esperança de conseguirem angariar fundos, que as ajudem a suportar a crise económica que também atingiu o convento.

Ficha Artística/Elenco:
Adelaide Vicente,
Anabela Coelho,
Assunção Coelho,
Elvira Moura,
Fernanda Rodrigues,
Filipa Rocha,
Hermínia Carvalho,
Justino Pinheiro,
Leonilda Moreira,
Mário Sá,
Paulino Laranjeira e
Soraia Larassou

Ficha Técnica:
Título da obra original | Com Garrett no Coração
Autor do texto original | Fernando Gomes
Adaptação | Mário Sá
Dramaturgia | Fernando Gomes
Encenação | Mário Sá
Coreografia | Mário Sá
Cenografia | Constantino/Soraia
Figurinos | Casca de Nós
Música/sonoplastia | Gabriel Pinto/Filipe
Luminotecnia |
Género | Comédia Musical
Classificação etária | M/6 anos
Duração | 90 minutos

Dia 25 de Maio (Sábado)
Encerramento do festival de teatro amador


JANTAR TERTÚLIA CAMILIANA
Sketches Teatrais | Grutaca, Grupo de Teatro Amador Camiliano
Participação Musical | G.M. Pedra D’Agua e Ass.de Tocadores e Cantadores ao Desafio Famalicense
Local | Restaurante Casa de Pasto de Pouve – Seide | 19h30
Preço | 20 €
Inscrições limitadas e obrigatórias
E-mail: grutaca@gmail.com

 
 
TOPO
 
   
  Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão © copyright 2019 | handmade by brainhouse